Em SP, Frida Kahlo e a pintura surrealista mexicana compõem exposição

 

A mostra, que fica disponível na cidade até 10 de Janeiro de 2016, é uma ótima opção

para o roteiro de quem visita a cidade no feriado

 Símbolo do poder feminino, ícone pop, influência artística e musa inspiradora de muita gente, Frida Kahlo é a principal atração da exposição que chegou ao Brasil no final de setembro. Com 20 obras da artista, “Frida Kahlo – conexões entre mulheres surrealistas no México” acontece no Instituto Tomie Ohtake, que já recebeu mostras de artistas como Salvador Dalí e Joan Miró.

Durante a última ida a São Paulo, tivemos a oportunidade de visitar a tão comentada exposição, que foi recebida com imensa alegria pelo público apreciador de arte no país – em especial, ativistas feministas que percebem realidades vinculadas ao trabalho da artista. “Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei a minha própria realidade” disse Frida certa vez, quando questionada sobre o conteúdo de suas obras.

Considerada uma das maiores artistas do século XX, não hesitava ao retratar a si mesma, com cores vibrantes em suas telas. Durante toda a sua trajetória, o amor e a dor – física e emocional – estiveram em pauta, tanto pessoal quanto profissionalmente, apresentados através da arte. Frida sofreu um grave acidente ainda jovem e passou por 30 operações ao longo de sua vida.

 

A visita é sem dúvida bastante enriquecedora! Para os mais interessados ou que ainda não conhecem a trajetória completa de Frida Kahlo, fica aqui também uma dica de filme: o drama biográfico FRIDA, produzido e dirigido em 2002 por Julie Taymor e estrelado por Salma Hayek no papel de protagonista é outra boa opção para entretenimento, que complementa a experiência artística contemplativa, com análises comportamentais. O filme vencedor de Oscar, recebeu também prêmio de “melhor trilha original”.

Outras artistas mexicanas também compõem a exposição, entre elas nomes como Maria Izquierdo, Remedios Varo e Lenora Carrington. O ingresso para conferir a exposição custa até R$ 10 (às terças, a entrada é livre) e pode ser adquirido antecipadamente pelo site da Ingresse, pelo app do Instituto Tomie Ohtake ou diretamente na bilheteria do evento (crianças de até 10 anos não pagam).